segunda-feira, 7 de novembro de 2011

João Caracol, a figura do momento


João Caracol, funcionário desta escola, tem sido repetidamente elogiado na imprensa desportiva automobilística nacional e internacional. E com toda a justiça, pois foi a sua pronta e decidida intervenção como comissário de pista no Historic Motor Racing -- o festival de automóveis de corrida históricos realizado no passado fim de semana no Autódromo Internacional do Algarve -- que impediu uma tragédia iminente. João Caracol, vendo o carro de Roger Wills, um dos mais destacados pilotos de carros de corrida históricos, a sair da pista completamente descontrolado, não hesitou em correr a toda a velocidade em sua direção, extinguindo as chamas que começavam a consumir o fato ensopado em combustível do piloto neozelandês. Foi precisamente a rapidez e sentido de urgência do Sr. Caracol que permitiram salvar o piloto que saía em chamas do bólide, como mostram as fotos acima.

A bem humorada imprensa inglesa da especialidade chegou mesmo a compará-lo a Usain Bolt, o recordista mundial de velocidade, sublinhando que se trata certamente do caracol mais rápido do mundo. Mas o Sr. Caracol comenta: «Estão loucos, a comparar-me a Bolt. Apenas usei o meu instinto e reflexos. O carro do Roger (o reconhecimento do piloto e a cumplicidade deu-lhes esta intimidade) prendeu quando tocou no corretor e levantou voo. Deu duas ou três cambalhotas. Assim que vi o fogo, assustei-me ainda mais ao ver o capacete e o braço do piloto a rasparem no asfalto. Corri o mais que pude, fui tirando a cavilha do extintor e quanto o carro entrou na gravilha eu cheguei junto. Fui ao carro. O Roger já começava a desprender o cinto. Tirei-lhe o capacete gasto, ou o que restava dele, com milímetros arrancados pelo asfalto, qual arco de proteção que se tinha retorcido todo. Extingui o fogo do carro e do piloto. Levei 42 segundos, ao todo». O próprio Roger Wills reconheceu que João Caracol lhe salvou a vida, pois fez questão de o contactar posteriormente para lhe agradecer «mil vezes» o facto de continuar vivo.

Além de funcionário da ESMTG, o Sr. Caracol é também bombeiro e um guitarrista apreciado. Como se vê, os recursos humanos da nossa escola são ricos e diversificados.